Quando desejar um namorado se torna idolatria

dezembro 15, 2015

Por Kelly Quintanilha

Recentemente, por conta da necessidade de preparar alguns estudos a cerca da vida da mulher solteira, me deparei com verdades que particularmente gostaria que alguém tivesse compartilhado comigo enquanto estive nesta condição, solteira. Não que eu tenha qualquer tipo de arrependimento com relação a minha atual vida de casada, muito pelo contrário, o Senhor mais uma vez expressou sua bondade e misericórdia sobre minha vida, me concedendo um marido bíblico, temente a Ele e que eu amo muito. O que estes estudos me levaram a refletir, é que muito pouco se fala nas igrejas sobre como honrar e servir ao Senhor enquanto estamos solteiras, e de que maneira nós podemos exercer o papel destinado por Deus às mulheres mesmo antes do casamento e também caso ele não venha a acontecer. É fato que somente o Senhor tem o conhecimento se um dia nós casaremos ou se permaneceremos solteiras, e eu também tenho um entendimento bíblico que permanecer solteira não é uma regra, afinal, a Palavra de Deus diz:  “Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea” e “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne” (Gn 2:18;24). O cerne da questão a que quero chegar é: até que ponto o desejo por um marido, conseqüentemente o anseio de um casamento, não se torna um ídolo em nosso coração?

Neste momento eu gostaria que você compreendesse que não estou, de forma alguma, dizendo que você está pecando por desejar e até mesmo orar por um esposo e uma família.  Não, e isso entendo que ficou claro no ponto acima. O meu objetivo é chamar a sua atenção sobre as reais intenções do seu coração quando anseia por isso, visto que “enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá? (Jr 17:9). Posto isso, consideremos os seguintes pontos:

Seu alvo é Cristo e não um marido

“Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo” (Fp 3:7)

Eu já presenciei situações, na verdade já passei por elas, em que a pressão por estar solteira ou não ser vista constantemente com um namorado era algo como que um fardo, e com muita tristeza eu tenho que dizer que isso acontecia principalmente dentro da igreja. Era constrangedor, e muitas vezes humilhante, a forma com que eu era abordada por não namorar, e a necessidade quase desesperada das pessoas em “ter que” arrumar um namorado pra mim. Bem, eu confesso que muitas vezes eu me entristecia com isso, e até pensava: “Será que tem alguma coisa errada comigo?”, “Será que nunca um homem vai se interessar por mim de verdade”? “Será que eu deveria ser tão bonita e “descolada” como fulana, pra eu conseguir um namorado?”. Que tristeza.

Minha querida irmã tenha em mente uma coisa: tudo aquilo que o Senhor decretou em seus insondáveis desígnios a seu respeito acontecerá como, quando e da forma que Ele quer!

“Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda.” (Sl 139:16)

Descanse nisso e não deixe que ninguém mude o seu alvo. Você foi criada em primeiro lugar para glorificar o nome do nosso Senhor, estando você solteira ou casada. Com isso, a busca pelo Reino de Deus e a sua Justiça devem ocupar o primeiro lugar na sua vida (Mt 6:33). Sendo assim, “prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. (...) Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo” (Fp 3 14;20).

Sua fonte de alegria é Cristo e não um marido

“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos” (Fp 4:4 – grifo meu)

Eu tenho aprendido e visto que não há nada mais perigoso e frustrante do que você acreditar que o motivo da sua alegria possa ser qualquer outra coisa ou alguém que não seja a pessoa de Jesus Cristo. O Salmista diz: “Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente” (Sl 16:11 – grifo meu).

Precisamos ter em mente que não há nada nesta vida que possa suprir a alegria que somente Cristo pode dar e proporcionar verdadeiramente. Ter um esposo é sem dúvida uma benção, uma alegria que o Senhor pode nos proporcionar e é muito bom. Mas perceba que quem proporciona isso pra você é o Senhor, ou seja, Ele é a fonte de tudo o que eu e você temos. O apóstolo Tiago escreve que: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança” (Tg 1:17).

Contudo, você precisa crer que ainda que o Senhor não conceda a você um esposo, você pode ter a certeza de algumas coisas: O Senhor Deus permanece bom (Sl 136), porque é Seu atributo e como vimos no texto de Tiago nEle “não pode existir variação ou sombra de mudança”; a Sua vontade é “boa, agradável e perfeita” (Rm 12:2); Ele sempre faz o que é bom para nós, porque “sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (Rm 8:28); o nosso Deus faz “todas as coisas conforme o conselho da sua vontade” (Ef 1:11). Por isso minha irmã, “em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.” (1 Ts 5:18).

Que não haja murmurações em seus lábios a cerca de nada, pelo contrario, que, como o apóstolo Paulo, você possa dizer, pela graça de Deus: “ (...)aprendi a viver contente em toda e qualquer situação” (Fp 4:11).

Sua satisfação está em Cristo e não em um marido

Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus?” (Sl 42:1-2)

Eu não sei você, mas quando eu leio estes versos me vem à mente a imagem de uma pessoa desesperadamente sedenta. Eu tenho um péssimo hábito de não beber água com muita freqüência, mas em compensação quando eu estou com muita sede eu fico transtornada, parece que todo o meu corpo clama por um copo d’água, e não há algo que eu anseie mais do que uma água bem fresquinha. Que delícia!

Bem, para muitas mulheres a busca por um marido se tornou algo muito parecido com isso. Casar, ter um marido, é a coisa mais importante da vida delas. Sem isso, elas estão “incompletas”, “infelizes”. Cada casamento para o qual elas são convidadas é um tormento! Os pensamentos são: “Mais uma casando e eu aqui!”, “Não acredito, até ela?! Se ela casou, eu tenho que casa também!”, “Com quem eu vou me relacionar agora?! Todas as minhas amigas casaram!”, “Eu tenho que casar! De qualquer jeito!”, e por aí vai.

Além de serem pensamentos pecaminosos, eles são extremamente perigosos, pois levam muitas mulheres a tomarem decisões com conseqüências bem amargas para o resto de suas vidas (mas isso é um assunto extenso, não conseguiremos trata agora). Mas, o que estes pensamentos revelam, em primeiro lugar, é que o anseio da alma dessas mulheres não é Cristo. O seu deus é um marido e não o Senhor Deus. Querida irmã, ainda que o Senhor lhe conceda a benção de ter um marido, este homem não pode satisfazer os anseios da sua alma. Você é a noiva de Cristo, Sua Igreja, e somente O Noivo, Cristo, poderá satisfazer suas necessidades, anseios e desejos.

Finalmente, minha amada irmã, confie que o nosso Senhor trabalha para que o nome dEle seja glorificado na sua vida. Se você é casada, glorifique ao Senhor. Se você é solteira, glorifique ao Senhor. Afinal:

"Deus é mais glorificado em nós, quando nós estamos mais satisfeitos nEle." John Piper

You Might Also Like

0 comentários

O Vida Prudente é um blog de Fé reformada, criado para disponibilizar estudos para a edificação da igreja de Cristo, para os que desejam crescer em conhecimento e graça, tendo nas Escrituras o modo prudente de viver. (Ef 5.15 – “Portanto, vede prudentemente como andais)